sexta-feira, 2 de abril de 2010

Em Cristo, Deus se sacrifica pelo homem, diz Pregador do Papa!!!

Na Celebração da Paixão do Senhor no Vaticano, presidida pelo Papa Bento XVI, o pregador da Casa Pontifícia, frei Raniero Cantalamessa refletiu, na homilia, sobre a lógica da violência e de como Cristo a superou com seu sacrifício. "Em Cristo, não é mais o homem que oferece o Sacrifício a Deus, mas é Deus que se sacrifica pelo homem".

"O Sacrifício não serve mais para aplacar a divindade, mas sim para aplacar o homem e fazê-lo desistir da sua hostilidade no confronto de Deus e de Seu próximo", destacou.

.: EXCLUSIVO: Livreto com as meditações da Via Sacra no Coliseu 2010

O pregador do Papa enfatizou que o sacrifício de Cristo lembra-nos que a violência está derrotada. "Em quase todos os mitos antigos, a vítima é a derrotada e o carrasco, o vencedor. Jesus alterou o sentido da vitória. Inaugurou um novo gênero de vitória, que não consiste em fazer vítimas, mas sim em fazer-se vítima".

Na homilia, Frei Cantalamessa destacou a gravidade da violência contra as mulheres, principalmente quando essa acontece na intimidade do lar. "A violência contra a mulher torna-se ainda mais odiosa ao refugiar-se justamente no ambiente onde deveria reinar o respeito recíproco e o amor – na relação marido e mulher. É verdade que a violência não advém sempre de uma das partes, e que se pode ser violento também com a língua e não apenas com as mãos; mas não se pode negar que, na vasta maioria dos casos, a vítima é a mulher".

Frei Cantalamessa afirmou que Cristo é o melhor aliado das mulheres vítimas de violência. "Também na relação com a mulher que erra, que contraste há entre o agir de Cristo e aquele que ainda verificamos em certos ambientes! O fanatismo invoca o apedrejamento; Cristo responde, àqueles que lhe haviam apresentado a adúltera: “Quem de vós não tiver pecado, que atire a primeira pedra” (Jo 8, 7).

Ao término da homilia, o pregador recordou que, por uma rara coincidência, este ano a nossa Páscoa cai na mesma semana da Páscoa judaica, origem da Páscoa cristã. Esta data nos impele a dirigir um pensamento aos irmãos judeus. "Eles sabem, por experiência, o que significa ser vitima da violência coletiva e também por isso são prontos a reconhecer os sintomas recorrentes".

Neste sentido, se referiu a uma carta que recebeu de um amigo judeu, no qual se solidariza com o Papa e com os católicos a propósito dos ataques recebidos pelos meios de comunicação em todo o mundo. "O uso de estereótipo, a passagem da responsabilidade e culpa pessoal à aquela coletiva me recorda os aspectos vergonhosos do anti-semitismo", diz o texto.

A carta termina exprimindo ao Papa e a toda a Igreja sua "solidariedade de judeu do diálogo e todos aqueles que no mundo judaico (e são muitos) compartilham destes sentimentos de fraternidade".

Após a homilia, a liturgia deu prosseguimento com a oração Universal rezada em várias línguas, a Veneração da Cruz gloriosa do Senhor e a distribuição da Eucaristia a todos os fiéis.

Na Sexta-feira Santa, o silêncio e o recolhimento fazem parte da liturgia, nem mesmo as luzes da Basílica Vaticana se acendem, sinal de que nesta Celebração o Filho de Deus é oferecido como vitima pelos pecados da humanidade.

Nenhum comentário:

WMblog.blogspot.com - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por: Rodrigo Vidigal