quarta-feira, 3 de abril de 2013

Catolicismo latino-americano enfrenta avanço dos evangélicos

A eleição de um Papa procedente de um continente onde vivem 40% dos católicos do mundo se insere também na tentativa da Igreja Católica de deter o rápido avanço dos protestantes evangélicos nos países em desenvolvimento, não só na América Latina, como também na África e na Ásia. Com 565 milhões de fiéis - 107 milhões deles na América Latina e no Caribe - os evangélicos já são mais de um cristão em cada quatro no mundo, segundo estatísticas indicadas por Sébastien Fath, do Centro Nacional de Pesquisas Científicas francês (CNRS).

Um número em constante ascensão e que inclui os 200 milhões de pentecostais ou "Born again", corrente surgida no começo do século XX nos Estados Unidos, que se baseia na ação e nos dons do Espírito Santo, como as profecias, as curas milagrosas e a libertação dos demônios; defende o encontro pessoal com Jesus e a conversão, alimentados em grandes cultos de tom apaixonado. Ao fato destas igrejas atraírem facilmente populações com frequência pobres soma-se a sensação de que a Igreja Católica dá a impressão de estar distanciada da população.

O clero católico, extremamente hierarquizado, vê surgir ainda algumas igrejas pentecostais surgirem de forma espontânea, com fiéis que se declaram pastores. "A Igreja Católica (com 1,2 bilhão de fiéis no mundo) encontrou concorrência com estes movimentos, que abocanharam parte de seus fiéis a partir dos anos 1980, em particular na África e na América Latina", afirma David Behar, do Polo Religiões do Ministério francês das Relações Exteriores.

"Na Guatemala, mais da metade da população, que era 95% católica, se converteu ao Neopentecostalismo. No México, o sentimento de que o clero está muito ligado ao poder político contribuiu para que os fiéis fossem para uma igreja mais independente. No Brasil, um quarto da população" mudou de religião, assegurou.

Proselitismo

Segundo o especialista, foi só no final de 2009, durante o sínodo de bispos da África, no Vaticano, que alguns bispos puderam expor o problema trazido por estas igrejas, por causa principalmente do "proselitismo agressivo" de alguns de seus pastores. Diante dos desvios de algumas igrejas pentecostais, o Conselho Nacional de Evangélicos da França (CNEF) publicou recentemente um livro sobre "a teologia da prosperidade", que faz uma severa advertência aos pastores autoproclamados que prometem saúde e riqueza material em troca de dinheiro.

Para a Igreja Católica, o rápido avanço dos pentecostais foi uma oportunidade para fazer uma autocrítica de sua ação pastoral e tentar modernizar seus métodos. Já no Concílio Vaticano II (1962-1965), a abertura para o mundo das novas comunidades marcadas pela renovação carismática e pela crença na influência do Espírito Santo, aparecia como uma resposta às igrejas pentecostais. O bispo francês Jacques Benoist-Gonnin, encarregado das seitas e das novas crenças, considera com bons olhos um novo enfoque do ser humano em sua dimensão "holística": "não só um corpo separado da psiquê, de sua espiritualidade, de sua dimensão transcendental, mas o ser humano em sua totalidade".

Uma concepção que alguns extrapolam através de práticas psico-espirituais que são em absoluto aprovadas de forma unânime pelo episcopado. O acesso de Francisco ao papado confortará o catolicismo dos fiéis de seu continente, mas provavelmente não representará uma oposição no plano social e doutrinário aos valores conservadores defendidos pelos evangélicos. (AFP)

Nenhum comentário:

WMblog.blogspot.com - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por: Rodrigo Vidigal