sexta-feira, 24 de julho de 2009

Evangelho do dia!!!

Mt 13, 18-23

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Ouvi a parábola do semeador: Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a compreende, vem o Maligno e rouba o que foi semeado à beira do caminho. A semente que caiu em terreno pedregoso é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria; mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento: quando chega o sofrimento ou a perseguição, por causa da palavra, ele desiste logo. A semente que caiu no meio dos espinhos é aquele que ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza sufocam a palavra, e ele não dá fruto.
A semente que caiu em boa terra é aquele que ouve a palavra e a compreende. Esse produz fruto. Um dá cem outro sessenta e outro trinta”


Reflexão
A Palavra de Deus exige, além da audição, uma correta compreensão. Ouvir a Palavra, mas sem entendê-la, ou melhor, sem perceber suas implicações práticas, nem sentir-se questionado por ela, é inútil. Assim acontece com quem permite que o Maligno lhe arrebate do coração a palavra semeada. O mesmo se dá com quem sucumbe diante das tribulações e perseguições, ou se deixa sufocar pelas preocupações deste mundo e pela fascinação das riquezas. Todas estas circunstâncias são indício seguro de que a Palavra se deteve nos limites da audição, sem chegar a ser compreendida.
Quem ouve a palavra e a entende, certamente, viverá de acordo com ela. Trata-se de uma compreensão prática, explicitada no nível existencial. E no dia-a-dia, nas circunstâncias mais simples da vida, que se revelam os níveis desta compreensão. Mantendo-se imune às investidas do Maligno, o discípulo segue firme no caminho traçado pela Palavra. Nada é suficientemente forte para demovê-lo de seu projeto de vida, pois ele deixou-se seduzir pelo Reino, não por mundanismos efêmeros.
Portanto, a passagem da audição à compreensão existencial é um movimento que exige do discípulo um exercício de conversão e disponibilidade para a ação de Deus. Sem isto, a Palavra permanece estéril.

Um comentário:

Flávio Bueno disse...

Em alguns casos, Jesus ofereceu aos discípulos pistas para a compreensão das parábolas. Sua explicação, contudo, não esgotava a riqueza de sentidos que elas continham. As parábolas deviam ser sempre mais exploradas por quem as lesse, buscando iluminar com elas a própria existência. Contextos diferentes revelariam mensagens diferentes escondidas no texto. Jesus entendeu que a semente é a Palavra de Deus semeada no coração humano. Os diversos tipos de terreno correspondem aos diversos tipos de coração, com os respectivos modos de acolher a Palavra. É ingênuo pensar que todas as pessoas acolherão a Palavra de igual maneira. Uns a receberão de forma tão superficial, a ponto de a Palavra se perder imediatamente, sem sequer começar a criar raízes. Outros a acolherão aparentemente com boa disposição e alegria. No entanto, por serem incapazes de fazer frente às dificuldades provenientes de sua opção, acabarão por deixar a Palavra se perder. Outros, ainda, aceitarão a Palavra sem muito discernimento, sem refletir sobre suas exigências. Por isso, quando ela questionar seu modo mundano e egoísta de proceder, preferirão deixá-la de lado e seguir adiante em busca de prazer. Por fim, existe também quem acolherá a Palavra com boa disposição, e agüentará as conseqüências de sua escolha. Nem todos, porém, darão frutos na mesma proporção.

WMblog.blogspot.com - Todos os direitos reservados | Desenvolvido por: Rodrigo Vidigal